Como cinema ilustra e traz à tona praticamente todas as questões que acontecem na vida e com direitos humanos não é diferente. Preparamos uma lista com filmes bacanas, ótimos para debater o tema.

Um dos destaques é Fruitvale Station – A Última Parada. Não tem como não lembrar da história do brasileiro Jean Charles de Menezes, assassinado por engano no metrô de Londres em 2005. A história aqui é muito parecida: um sujeito é injustamente morto no metrô, sem que ao menos tivesse direito a defesa. Assassinato a sangue frio. Por policiais. A cena é filmada por alguns dos usuários, o que não deixa dúvida sobre a culpa da polícia.

O brasileiro foi confundido com um terrorista, que estava sendo procurado em Londres. O americano não. Foi agredidono metrô na noite de ano novo, por ex-colegas de prisão. Sim, havia passado uma temporada preso anteriormente, mas estava decidido a mudar de vida, firmar-se num emprego e cuidar da família. Leva uma surra, a polícia de Oakland, Califórnia, é acionada, a turma encurralada na estação de metrô Fruitvale. Todos negros, sob a pistola de policiais brancos. Confusão, protestos  de que não tinham culpa de nada e um tiro. Atinge Oscar Grant III. 22 anos, pai de uma menina de quatro. Ele não resiste, morre no hospital.

O filme conta com Michael B. Jordan, como Oscar, e Octavia Spencer, na pela de sua mãe. Ambos conseguem transmitir a intensidade do drama que deve ter sido aquela madrugada – e os anos anteriores a ela, em que o rapaz tentava reconstruir a vida. O lance do preconceito versus a simplicidade de Oscar e sua genuína gentileza é cruel e se torna ainda mais dramático à medida que sabemos que isso é a pura verdade. Fruitvale Station foi premiado no Sundance Festival e tem um olhar sensível, humano e realista, mostrando como a mente perversa e conturbada das pessoas funciona. E o tamanho do abismo social que existe.

Escrito por