Hoje é Dia Internacional Contra a Homofobia e nossa lista LGBTQ ficou ainda mais bacana. Vários filmes estão em promoção e podem ser alugados por meros R$ 2,49. Tem pra todos os gostos!

 

Yves Saint Laurent, do francês Jalil Lespert, mostra a trajetória do estilista famoso e irreverente, que aos 21 anos assumiu a criação da Maison Dior e, aos 26, funda seu próprio ateliê de alta costura em Paris. Além da elegância inquestionável, o longa passeia por baladas, álcool, drogas e orgias, em passagens sombrias e difíceis do estilista, que não perde o prestígio no mundo da moda e no imaginário de qualquer pessoa que já tenha ouvido falar da sigla YSL. Mesmo se moda não é a sua praia, assista. É um filmaço!

 

A Guerra dos Sexos, de Jonathan Dayton e Valerie Faris, também é uma história real da tenista Billie Jean King, que foi número um do mundo e ganhou notoriedade porque queria que as mulheres tivessem a mesma importância que os homens em quadra e ganhassem a mesma coisa. A “guerra dos sexos” do título se refere ao amistoso entre a tenista e o ex-campeão Bobby Riggs, que era machista de carteirinha e enfrentou a determinação de Biilie Jean num momento em que ela assume a sua homossexualidade. Com Emma Stone e Steve Carell, é sobre o esporte, mas principalmente sobre comportamento e a sociedade daqueles anos 1970.

 

Adeus, Minha Rainha, de Benoît Jacquot, vai pra França nos três dias após a queda da Bastilha em 14 de julho de 1789, estopim da Revolução Francesa. Dentro do Palácio de Versailles, uma criada camponesa (Léa Seydoux) lê livros para Maria Antonieta (Diane Kruger) e nutre por ela uma admiração platônica. O ponto de vista é de quem não é protagonista, de quem pertence aos bastidores, como a criada Sidonie, o que torna Adeus, Minha Rainha ainda mais intrigante – inclusivo no desfecho.

 

Albert Nobbs, de Rodrigo García, fala da opção que resta a uma mulher pobre, sem recursos, família ou herança na Irlanda machista e católica do final do século 19. Na pele de Gleen Close, surge Albert Nobbs, essa mulher que incorpora a postura, os gestos, as expressões masculinas, consegue um emprego como garçom em um hotel badalado de Dublin e expões as nuances de uma sociedade rígida e implacável. Tem uma beleza estética marcante, com a importância dessa leitura observadora e crítica sobre as relações sociais.

 

Escrito por